Face
PLÁSTICA DA FACE
Lift da Face

Lift da Face ou Ritidoplastia é a cirurgia que se dedica a tratar os sinais do envelhecimento do rosto. As modificações que observamos na face com o decorrer dos anos fazem parte do próprio curso natural da vida, e ainda podem ser aceleradas pela influência de fatores externos como a ação da gravidade, a exposição aos raios solares e os desgastes emocionais. Portanto, é impossível interromper o processo de envelhecimento. Por meio dessa cirurgia, buscamos atenuar os seus danos. O objetivo é obter uma aparência naturalmente mais jovem, ou como algumas pessoas costumam falar: "voltar alguns anos no tempo".

Também com a mesma finalidade de auxiliar o rejuvenescimento facial, várias técnicas menos invasivas vêm sendo utilizadas há algumas décadas. As mais conhecidas são os Preenchimentos, as Toxinas Botulínicas e os Peelings. Sabemos ainda que os seus benefícios são temporários e que precisam ser repetidos em intervalos regulares. Essas modalidades terapêuticas não substituem o Lift facial, pois esse procedimento permite uma reparação mais eficaz à medida que os sinais de envelhecimento tornam-se mais significativos, motivo pelo qual optamos pela cirurgia nesses casos. A associação entre cirurgia e tratamentos menos invasivos é possível e pode ser benéfica para muitos pacientes.

As técnicas cirúrgicas utilizadas no passado visavam tratar a flacidez da pele apenas esticando-a, o que estigmatizava a face das pessoas que eram submetidas a essa cirurgia. O conceito do Lift evoluiu bastante, e atualmente inclui também o tratamento das estruturas mais profundas da face. Utilizamos técnicas modernas para melhorar a tonicidade das camadas de músculo e gordura em cada região, aprimorando o contorno global da face e do pescoço. Sobre esse novo contorno, acomodamos a pele de volta suavemente, conferindo uma aparência natural e rejuvenescida. O Lift facial moderno proporciona resultados mais duradouros, com cicatrizes mais discretas, e posicionadas em locais que permitem o seu disfarce (couro cabeludo, dobras naturais da pele localizadas na frente e atrás das orelhas).

Durante a consulta, observaremos os detalhes da sua aparência que mais agradam, assim como aqueles que mais incomodam, seja com o rosto em repouso ou com a ativação dos músculos das expressões faciais. É importante também levar consigo fotos em idades diferentes para completarmos a análise facial.

Os exames pré-operatórios incluem: sangue, urina, eletrocardiograma, radiografias do tórax.

As anestesias mais frequentemente utilizadas são: sedação associada à anestesia local, ou geral.

A duração média da cirurgia é de 4 a 6 horas, com internação por 12 ou 24 horas a depender de cada caso. Ao final da cirurgia, haverá o curativo em forma de capacete para minimizar o edema (inchaço) e drenos tubulares finos atrás das orelhas. A troca dos curativos e a retirada dos drenos é realizada 48 horas após o término da cirurgia.

O retorno ao trabalho acontece entre 20-30 dias após a cirurgia. Poderá ainda haver equimoses (manchas roxas) e inchaço residuais, que regredirão mais rapidamente se forem realizadas sessões de Drenagem Linfática. A exposição direta ao sol deve ser evitada até as equimoses desaparecerem.

Perguntas Frequentes

É verdade que existem tipos diferentes de cirurgias faciais?

É sim. Cada paciente apresenta alterações diferentes a serem corrigidas. Em virtude disso, houve a necessidade de se adaptarem as técnicas às suas individualidades. Então, para pacientes mais jovens, em que se observa apenas a flacidez da pele (sem alterações das camadas gordurosa e muscular), indica-se com mais frequência o Mini-Lift, onde tracionamos a pele para cima e para trás através de uma incisão na frente das orelhas.

Os casos considerados intermediários (pouca flacidez da pele, associada à discreta queda e flacidez das camadas profundas) podem ser tratados com o Lift Short-Scar (curtas cicatrizes). Nessa cirurgia, tratamos o excesso de pele e tracionamos os tecidos profundos através de incisões ao redor das orelhas.

O Lift facial moderno é mais indicado para os casos mais avançados (com flacidez acentuada da pele e dos tecidos profundos).

Qual a duração do resultado do Lift de face?

Não existe um “prazo de validade” fixo. A duração média é de 8-12 anos, mas depende diretamente de seu estilo de vida e das suas características genéticas.

É importante lembrar que independentemente do tipo de Lift escolhido, as cirurgias de rejuvenescimento facial podem ser feitas mais de uma vez durante a vida.

É verdade que o Mini-Lift tem uma duração menor?

Sim. Isto se deve a 2 fatores principais. O primeiro é que esta cirurgia é indicada, principalmente, para pacientes mais jovens (em torno dos 40 anos) que ainda terão uma grande parte do processo de envelhecimento pela frente. O segundo é que o seu objetivo é tratar apenas a flacidez da pele, e esta por si só não é uma estrutura tão firme, podendo tornar a ficar flácida ao longo dos anos.

Existe uma idade ideal para se submeter à essa cirurgia?

Não. Depende do momento em que os sinais de envelhecimento se tornem incômodos. O ideal é realizar a primeira cirurgia antes dos 60 anos, já que os resultados mais naturais são alcançados quando a pele ainda apresenta uma boa elasticidade. Pacientes com idades entre 70-80 anos também podem ser operados com algumas limitações desde que estejam saudáveis.

O Lift de face pode ser associado a outras cirurgias?

Sim. Podemos associá-lo a outras cirurgias plásticas como a das pálpebras (blefaroplastias), do nariz (rinoplastia), a colocação de implantes de mento.

Quais são os possíveis riscos desta cirurgia?

Apesar de incomuns, principalmente, quando se prepara adequadamente cada paciente, algumas intercorrências são passíveis de acontecer. Entre elas: cicatrizes desfavoráveis; sangramentos (hematoma); acúmulo de líquido (seroma); necrose da pele; dormência ou demais alterações de sensibilidade da pele; assimetrias; despigmentação da pele e/ou inchaço prolongado; necrose do tecido adiposo; danos em estruturas mais profundas tais como lesões do nervo facial (maioria das vezes temporárias), vasos sanguíneos e músculos; dor, que pode perdurar; trombose venosa profunda.

Como se dá a redução do inchaço após essa cirurgia?

A redução do edema depende de como cada paciente cicatriza. Alguns pacientes podem apresentar redução significativa logo aos 15 dias após a cirurgia. Em outros, o edema regride lentamente, podendo haver ainda locais residuais mesmo após 45 dias. Recomendamos sessões de Drenagem Linfática a todos(as) os(as) pacientes para otimizar a recuperação pós-operatória.

O pós-operatório é doloroso?

Geralmente não. Entretanto, sabemos que a dor é um sintoma subjetivo, portanto pode ser vivenciada de maneira diferente por cada paciente. Normalmente é bem controlada com os analgésicos prescritos.

Todos os Procedimentos